Uma viagem pela Grécia

Fizemos uma viagem muito especial pela Grécia com o professor de mitologia Viktor D. Salis que preparou um roteiro pelo Peloponeso, além de três ilhas perto de Atenas. Viktor, além de ótimo professor, foi piloto de Formula 2 e fizemos todo o percurso de carro com ele pilotando!

ΩΩ
8896a-gre25cc2581cia
Vista de Atenas – Foto Yeda Saigh
Atenas foi um dos principais centros culturais e berço da filosofia e civilização ocidental. Podemos afirmar que os mais conhecidos e renomados filósofos do mundo ocidental são de origem grega. É ali que se encontra um dos mais importantes sítios arqueológicos preservados até hoje. Na Antiguidade a cidade recebeu esse nome em homenagem a deusa grega da sabedoria, Athena, e quando a Grécia se liberou do jugo otomana, tornou-se a capital do país em 1834. Além de rica história, existem vários pontos turísticos maravilhosos que nos impressionam com sua beleza natural.
681c4-gre25cc2581ciaatenasacro25cc2581polis
Acrópole – Foto Yeda Saigh
Vale uma viagem à Grécia só para visitar em Atenas a Acrópole, cujo nome significa Acro = alto – polis= cidade, cidade alta. Significa também “vida”, sendo seu oposto “Necro”-morte, daí necrose, necrópolis – cidade dos mortos, cemitério. Visitamos o Parthenon, templo de Athená que venceu Poseidon em uma luta. Athena é a deusa da Sabedoria e da Justiça. Depois fomos ao templo de Erecteu, que tem as famosas estátuas das Cariátides na fachada; são maravilhosas!! Lá estão as seis, mas são fac similis (falsas), pois as verdadeiras estão guardadas e protegidas no museu. É um templo dedicado à ereção do animal cobra que se transforma e se eleva à condição humana.
ceb36-caminhodeplaka-gre25cc2581cia
Caminho para Plaka – Foto Yeda Saigh

Plaka

Passear na Plaka (bairro famoso onde tem muitos restaurantes, cafés e bares e é cheio de gregos e de turistas), fazer uma pausa e tomar um café. Depois visitamos o Teatro de Dionísio, o Relógio do sol, octogonal. Deu para fazer tudo a pé pela ótima localização do hotel.

27359-acro25cc2581pole-gre25cc2581cia
Acrópole – Foto Yeda Saigh
Acrópole

É uma colina rochosa de topo plano que tem 150 metros de altitude e abriga algumas das mais famosas edificações do mundo antigo. Servia originalmente como proteção contra invasores de cidades inimigas e com o tempo passaram a servir como sedes administrativas civis ou religiosas.

e49de-gre25cc2581ciaatenasacro25cc2581poliscaria25cc2581tidas
Cariátides – Foto Yeda Saigh
Foi construída por volta de 450 a.C.  A maior parte das estruturas da Acrópole estão em ruínas, mas entre as que ainda estão de pé são: Propileus, que é o portal para a parte sagrada da Acrópole, o Parthenon – o templo principal de Atenas, o Eréction, o templo dos deuses do campo, e o Templo de Nike Aptera- simbolo da busca da sabedoria de Atenas.
Teatro de Dionísio
Foi o mais importante dos teatros da Grécia antiga, e é considerado o berço do teatro ocidental e da tragédia. Está no lado sul da Acrópole. Seu nome é em homenagem à Dioníso, deus do vinho. Faziam grandes festas anuais com cantos, danças e sacrifícios rituais no teatro.
60cbc-teatrodedioni25cc2581siogre25cc2581cia
Teatro de Dionísio – Foto Yeda Saigh 
Torre dos Ventos Octogonal
A Torre dos Ventos, também chamada de Horológion, é uma torre de mármore de planta octogonal. Foi provavelmente construída por Andronicus de Ciros por volta do ano 50 a.C.. Com doze metros de altura por oito de diâmetro, antigamente era coberta por um cata-vento que indicava a direção do vento. No interior da torre havia um relógio movido pela água que vinha da Acrópole. Nos primeiros anos do cristianismo a torre foi usada como campanário de uma igreja e depois foi destruída por um incêndio. A torre dos ventos estava semienterrada quando foi escavada e restaurada por arqueólogos no século XIX.
8b273-torredosventosgre25cc2581cia
Torre dos Ventos – Foto Yeda Saigh
Pegamos o ônibus e fomos até Pireus para tomar o navio “Hermes” que nos levou às ilhas Poros, Hidra e Égina, todas no Golfo Sarônico. Demora uma hora até  Poros.
Poros
É um pequeno par de ilhas situadas na parte sul do golfo Sarônico com duas ilhas: Sphairia e Lalaureia. Tem uma vegetação rica, cidade é muito bonitinha com lojas e restaurantes. Possui uma infra-estrutura turística adequada, o que faz do local um destino turístico popular para curtas temporadas. É a menor ilha do Golfo Sarônico. Depois são mais duas horas para se chegar em Hidra. Viktor nos deu uma aula sobre mitologia muito interessante.
78517-gre25cc2581ciaporos4
Ilha de Poros – Foto Yeda Saigh
5a4fb-gre25cc2581ciaporos1
Ilha de Poros – Foto Yeda Saigh
Hidra

É a mais charmosa das três. Descoberta por um grupo de artistas atraídos pela beleza das casas de telhados vermelhos, das ruas pavimentadas com pedras irregulares e dos caminhos beirando a água azul. A ilha é um espaço livre de veículos motorizados, excelente para quem quer descansar um pouco.

Ficamos uma hora em Hidra que é a maior; artistas e o jet set tem casas lá. Andamos a pé pela ilha e é ótima para boas compras.

7fb89-gre25cc2581ciahidra
Ilha de Hidra – Foto Yeda Saigh 
Almoçamos no navio muito bem.
Egina, a terceira ilha que visitamos tem três partes: parte moderna de hoje, parte bizantina – visitamos basílica S. Nichos que foi canonizado em 62 e a parte antiga onde visitamos o Templo da deusa Atená Aféa, construído no V século a.C. em cima da colina, com uma vista maravilhosa. Passeamos um pouco pelo porto, visitamos o mercado flutuante, e um pouco de shopping que ninguém é de ferro!
9de36-gre25cc2581ciaagina
Ilha de Egina – Foto Yeda Saigh
Segundo os gregos, estão localizados nessa ilha os melhores pistaches do mundo. Cultivados na ilha desde a Antiguidade, as sementes são vendidas no centro da cidade. Não se esqueça das praias que são lindas!
Voltamos ao navio e assistimos a um show de dança grega muito bom.
De manhã fomos conhecer dois museus:
Museu de Arqueologia de Atenas

Durante a II Guerra Mundial todas as obras foram encaixotadas e levadas para locais seguros, a fim de evitar o risco de dano por bombardeio e saques. Em 1999 o edifício foi gravemente danificado por um terremoto e foi fechado para reparos até 2004.

f44cb-nationalarcheologicalmuseum
Museu de Arqueologia – Foto Yeda Saigh

 

Reabriu para a realização dos Jogos Olímpicos de Atenas e um ano mais tarde a reorganização das coleções foram finalmente concluídas. É um dos museus mais importantes  do mundo. Vale a pena conhecer!
Museu de Arqueologia de Atenas
28is Oktovriou 44, Athina, Grécia
Tel.: + 30 21 0821 7717
Museu Bizantino e Cristão

Fundado em 1884 pela Companhia de Arqueologia Cristã como um museu dedicado exclusivamente à arte paleocristã.  O acervo é composto de 20 mil peças, incluindo esculturas, mosaicos, ícones, tecidos, murais e manuscritos que datam do fim da Antiguidade até o século XIX.

Museu Bizantino e Cristão
Museu Bizantino e Cristão
Sofias Avenue 22 Athina 106 75, Grécia
Começamos a nossa viagem pelo Peloponeso. A primeira cidade que visitamos foi Delfos. Paramos no caminho para almoçar num restaurante muito bom. Subimos o monte Parnassos que é onde fica Delfos e as ruínas do Templo do deus Apolo, o Oráculo, tudo maravilhoso! Fomos a pé até o alto: a vista é incrível, dá para ver o mar Jônico e as montanhas com neve em cima. É das vistas mais lindas que eu já vi na vida. Passamos por uma cidade de esqui, Arahova, uma graça. Mais 8 kms até o hotel Amália, muito bom.
Delphos

 

Delphos
Delphos
É uma cidade conhecida por seu sítio arqueológico e foi considerada no passado como o centro do universo. Em épocas antigas era o local dos Jogos Píticos, muito parecidos com os atuais Jogos Olímpicos feitos de quatro em quatro anos. A cidade também foi famosa por existir ali um oráculo que se encontrava dentro do templo dedicado ao deus Apolo. Delfos foi declarada Patrimônio Mundial pela UNESCO.
Templo de Apolo
Viktor nos contou toda a história do Oráculo e de Apollo que é muito bonita. De lá fomos para Olympia. Paramos no caminho para almoçar. Estrada à beira mar, maravilhosa, vistas lindas, a estrada é entre o mar e as montanhas. Atravessamos o mar pegando um ferry boat para Patras e chegamos ao Peloponeso que é uma extensa península no sul da Grécia separada do continente. Continuamos mais 100km até Olympia. Ficamos no Hotel Amália, bom. Saímos para jantar na cidade numa pizzaria.
Pátras
É a terceira maior cidade da Grécia e fica distante 215 km de Atenas com uma  população acima de 200 mil, sendo um centro comercial muito importante na ligação com a Itália através dos ferrys.
Canal do Peloponeso
No dia seguinte de manhã fomos para o sítio arqueológico que é onde os Jogos Olímpicos tiveram início. É no alto, tem um estádio enorme, comemos no quiosque e seguimos para a cidade Náuplia. Atravessamos o Peloponeso no meio, estrada muito perigosa, estreitíssima, no meio das montanhas. Paramos em Lacadia, um vilarejo no meio da montanha e nos deliciamos com doces gregos. Continuamos até Trípoli e depois Náuplia. Lá ficamos no Hotel Olimpia, o mais bonito dos três, enorme e fora da cidade uns 2 kms. Jantamos no restaurante Porto.
27065, Olympia, Greece
Tel.: + 30 26240 22190
Olympia
É uma cidade famosa por ter sido o local onde se realizavam os Jogos Olímpicos da Antiguidade e é também é conhecida pela gigantesca estátua de Zeus em marfim e ouro, e que foi uma das sete maravilhas do mundo antigo. Hoje o local preserva um importantíssimo território arqueológico tombado pela UNESCO.
Olympia
Epidauro
Depois fomos para Epidauro que é 30km de lá. É o teatro mais bem conservado e o segundo maior da antiguidade: 14.000 pessoas!! Até hoje fazem espetáculos. A acústica é a melhor que existe. Templo de Asclépio – deus da medicina, da cura e da terapia. Ele dizia que as pessoas adoeciam porque se desviavam de si mesmas, de sua verdade. Os doentes dormiam no cemitério – era o nome do lugar que eles dormiam esperando a cura.
Epidauro
Teatro de Epidauro

Templo de Asclépio: Existem várias versões de seu mito mas a mais famosa aponta-o como o filho de Apolo. Foi educado na caça e nas artes da cura. Aprendeu o poder curativo das ervas e a cirurgia, e adquiriu uma habilidade tão grande que podia trazer os mortos de volta à vida. Zeus o puniu, matando-o com um raio. O seu culto disseminou-se pela Europa, norte da África e pelo Oriente, sendo homenageado com inúmeros templos e santuários que atuavam como hospitais. A sua imagem permaneceu viva e é um símbolo presente até hoje na cultura ocidental.

Bastão de Asclépio – Símbolo da medicina até hoje
Templo de Asclépio
Encontramos um grupo de gregos de Salônica – Thessalônica, que estavam  fazendo um pic-nic e nos convidaram para comer junto com eles, muito simpáticos, comida deliciosa! Depois fomos para Micenas, cidade principal da civilização micênica. Visitamos o sítio arqueológico: um castelo bem no alto com uma vista maravilhosa. Vimos o Portal dos Leões com uma pedra em cima que pesa 20 toneladas onde ficam as tumbas dos reis. Visitamos a tumba de Agamenon ou o Tesouro de Atreus: é um cone enorme. A acrópole de Micenas parece uma pirâmide, é uma maravilha. Fomos ver os Castelos Bizantinos no alto do morro com vista para o mar; indescritíveis! Passeamos na cidade antiga, muito charmosa, lembrou-me Dubrovnik.
Náuplia
Tem cerca de 20.000 habitantes e está situada no golfo Argólico. Foi a primeira capital da Grécia de 1829 a 1834. De lá fomos para a Arcádia, num vilarejo no meio da montanha, e experimentamos doces gregos maravilhosos e continuamos até Trípoli.
Micenas
Fica a 90 km a sudoeste de Atenas é uma das mais antigas cidades gregas 1.400 a.C. Tornou-se o mais importante centro político e cultural da região e segundo os épicos gregos, nessa época era o lar do rei Agamenon. Em 1.200 a.C. a supremacia de Micenas acabou após a invasão dos Dórios.
Túmulo de Atreu
O túmulo de Atreu foi construído no século XIII a.C., é constituído por uma falsa cúpula de 14,6 m de diâmetro. A entrada se dá por uma estrutura em falsa abóboda cujo formato é encontrado em algumas estruturas do Egito antigo. Nenhum outro edifício de Micenas possui um acabamento tão refinado com um corte tão preciso dos blocos de rocha.
No dia seguinte voltamos para Atenas, passamos pelo estreito de Corinto que de cima parece mínimo, mas passam navios por ele. De Atenas fomos para Istambul mas isso fica para um próximo artigo,
Boa Viagem!
Para terminar um pensamento de Sócrates, o maior de todos os filósofos :
Conhece-te a ti mesmo, depois aos homens e depois ao mundo e quem sabe então serás capaz de vislumbrar os deuses.
Colaborador: Viktor Salis
Breve curriculum e histórico do Prof Dr Viktor Salis
Nasceu em Atenas, Grécia. Formou-se em Psicologia em 1971 pela PUC/SP e estudou Epistemologia Genética com Jean Piaget, em Genebra, Suíça, onde completou seu primeiro doutorado em 1977, voltado ao desenvolvimento ético e social da criança e do adolescente.
Em 1981, estudou “A ética dos mitos da Paidéia na formação do homem grego na Antigüidade”, com Igor Caruso, na Universidade de Salzburgo, Áustria, obtendo seu segundo doutorado.
Dedica-se ao estudo das tradições e mitos das antigas civilizações gregas, egípcias, judaico-cristãs, caldaicas e orientais, para trazer para os dias atuais, a sabedoria, a ciência e a filosofia do melhor dos ensinamentos milenares, que formam a base da nossa educação e cultura.
Por conhecer bem o grego antigo e o moderno, estuda e trabalha com os textos originais, dispensando as traduções e as adaptações.
Domina ainda o inglês, francês, espanhol e lê o latim e o alemão.
Escreveu diversas obras na área de mitos e tradições arcaicas. Escreve ainda peças de teatro baseadas nos mitos.
Atua na área da saúde e da educação, buscando recuperar o ideal helênico de formar o “homem-obra de arte, ético e criador”.
Trabalha como terapeuta num processo que denomina “Terapia Mítica”, que busca o conhecimento de si e do outro através dos mitos arcaicos e permite abrir as portas para a compreensão e a evolução do ser humano, conferindo-lhe o seu sentido cósmico.
Realiza trabalhos de treinamento em empresas, para o desenvolvimento ético e criativo de talentos e potenciais.
Desenvolve programas compromissados e moldados às necessidades das empresas, nas áreas do conhecimento e da tomada de atitudes para superar metas, atingir resultados e otimizar recursos.
Estimula o trabalho em equipe e para a realização do homem consigo mesmo, com os outros e com a organização.
REFERÊNCIAS
Treinamento em empresas para o desenvolvimento ético e criativo de talentos e potenciais, como:
Eletropaulo, Natura, Unilever, Gafor, Vale do Rio Doce e muitas outras.
Orientação de teses de doutorado e mestrado em diversas universidades do Brasil.
Conferências, palestras e cursos em inúmeras instituições, no Brasil e no exterior.

Consultoria executiva em educação

Ética empresarial – Treinamento
Formação de liderança e equipes
Avaliação e diagnóstico de perfis
Contatos:
E-mail: vdsalis@terra.com.br
E-mail: vdsalis@hotmail.com
Tel.: 11 3337 3356
Tel.: 11 99633 6245
Tel.: 11 98103 8721

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s