Save the Date – Miami II

Neste artigo vou falar de mais duas coleções também muito importantes: Coleção Cisneros e Coleção Família Rubell.

Coleção CisnerosA Fundação de Arte Cisneros Fontanals (CIFO) é uma fundação sem fins lucrativos criada em 2002 por Ella Fontanals e sua família, para promover o intercâmbio cultural e educacional nas artes visuais. O foco principal da CIFO é apoiar artistas contemporâneos da América Latina, representantes de todo tipo de arte, principiantes ou não, cujos trabalhos sejam um desafio às fronteiras estabelecidas no que tange a definição de arte contemporânea atual. Todo ano um conselho internacional de curadores escolhe dez artistas iniciantes da América Latina, para financiar seus estudos, trabalhos e os insere nas exposições da CIFO daquele ano.

Em suma, a CIFO tem o compromisso e o objetivo de ampliar e modificar a compreensão mundial sobre arte e principalmente sobre a arte latino-americana, mudando os paradigmas e estereótipos tradicionalmente ligados à esta última.

A CIFO oferece um brunch durante a Art Basel Miami. Este ano vimos uma seleção de vídeos chamada Being in the World: Selections from the Ella Fontanals Collection, com curadoria de Berta Sichel. São sete trabalhos de: Chantal Akerman, Rafael Lozanno-Hemmer, Munteam/Rosenblum, Shirin Neshat, Robin Rhode, Bill Viola e Francesca Woodman. O trabalho de Bill Viola, “The Raft” (A Balsa) é impressionante. Trata-se de um vídeo que começa com um grupo de pessoas em pé. Em seguida entra outro grupo de pessoas, que se junta ao primeiro. Surgem então rajadas fortes d’água, vindas de todos os lados e direcionadas às pessoas, derrubando-as uma a uma. O vídeo (e a água) termina quando todos estão por terra, vão caindo um por um no chão. A primeira a cair é uma velha e os jovens são os últimos a caírem. A mensagem do vídeo (foto) é muito clara e forte, dispensa comentários (exposição aberta de dezembro 2009 até 07 março de 2010).

079e3-col-cisnero-billviolatheraft_2
Cisneros – Foto Internet

O grupo Cisneros surgiu por volta de 1920, na Venezuela, na pessoa de Diego Cisneros. Homem de visão e fundador do grupo, já se destacava como um grande empresário nos anos 60 com a aquisição de um canal de TV, que mais tarde se tornou a rede venezuelana nacional, a “Venevisión”. Após a fase inicial de crescimento do grupo nos anos 70, o conglomerado diversificara consideravelmente seus empreendimentos, e nos anos 80 expandira seus domínios pela América Latina. Das operações comerciais (mídia, TV, entretenimento, gravadoras, etc.) bem sucedidas, à cultural e educacional (criação Fundação Cisneros) liderada por Patrícia Phelps de Cisneros, foi quase que uma complementação natural.

Originalmente construída em 1936, o galpão que abriga a Fundação Cisneros foi recentemente reformado e está muito bonito. Está situado em um bairro, onde cada vez mais se encontram galpões de colecionadores e galerias, e é um espaço permanente para exposições. René Gonzáles, o arquiteto da reforma fez a parede externa de pastilhas de vidro, coladas em painéis de alumínio de 1m25 cada. São multicoloridos (mais de 200 cores) e imitam uma floresta de bambus, delumbrante! Por dentro é despojado para não interferir com as exposições.

2dbe5-cisnerosartfoundation
Fundação Cisneros – Foto Internet

Serviço:
Cisneros Fontanal Art Foundation
1018 North Miami Avenue, Miami
T: +1(305)455-3380

Coleção da Família RubellÉ uma das maiores e mais importantes coleções de arte no mundo atual (agora com sede em Miami, Flórida). Don e Mera Rubell começaram sua coleção logo após seu casamento (1960/1964) e a aumentaram à medida em que seus filhos Jason e Jennifer, ainda bem jovens, se juntaram a eles na arte de colecionar. A mais nova colaboradora é Michelle, esposa de Jason. A família possui hoje cerca de 6 mil obras de arte, de quadros a esculturas, fotografias, vídeos e instalações, de artistas com trabalho significativos desde a década de 1970 até hoje.

A coleção é como um “Quem é Quem” da arte contemporânea, e inclui obras dos 30 artistas considerados os americanos mais importantes tais como: Jean-Michel Basquiat, Gilbert & George, Donald Judd, Anselm Kiefer, Jeff Koons, Paul McCarthy, Takashi Murakami, Richard Prince, Andy Warhol, entre tantos outros. A Coleção da Família Rubell foi aberta ao público em Miami, em 1996. Originalmente sediada em Nova York, a família mudou-se para Miami em 1993 e entrou primeiro para a indústria hoteleira, restaurando e reabrindo hotéis Art Deco, como o Albion.

A princípio a coleção esteve abrigada em um armazém da cidade de Nova York, para então, em 1996, instalar-se em Miami, na rua 29, em um antigo prédio da Drug Enforcement Agency (DEA). Compreendendo cerca de quase 4 mil metros quadrados de espaço para exposição, renovada a cada seis meses, o local permanece aberto ao público durante todo o ano. Foi-me dito que, a cada renovação semestral, a curadoria escolhe o tema para a próxima exposição e seleciona primeiramente, em seu próprio acervo, obras relacionadas a ele.

A partir daí é feita uma pesquisa sobre todos os artistas que pintaram ou produziram alguma arte pertinente ao assunto, e então os colecionadores saem em busca dessas obras, que completariam o tema da exposição, para adquiri-las. Essa é uma das maneiras de como os Rubell aumentam seu acervo a cada seis meses, que aliás é muito interessante e criativa.

A Coleção Família Rubell recebe algo como 22 mil visitantes por ano, transformando assim o que era um velho armazém do DEA, numa visita imperdível aos fãs de arte contemporânea que visitam Miami.

Durante a Art Basel Miami, os Rubell recebem para um breakfast diário, quando apresentam a instalação interativa de Jennifer Rubell, que visualmente se altera através do consumo do público. Trata-se da obra chamada Old-Fashioned. Constituí-se em uma parede branca, medindo cerca de 2,45m de altura por 18,30m de comprimento, com 1.521 pregos; em cada um deles há um doughnut e, a medida que as pessoas pegam para comer muda o visual da obra, interagindo assim com a criação e a criadora da obra.

Os doughnuts são substituídos diariamente e ao lado da instalação é servido café, chá e sucos variados. Muito divertido e interessante o programa todo.

4df80-rubell-doughnuts2
Jennifer Rubell – Old Fashioned – Doughnut Instalation – Foto Internet

O tema da exposição da coleção Rubell esse ano é: Beg Borrow and Steal (Pegar, Emprestar e Roubar). Esse tema saiu de uma conversa com dois artistas Kelly Walker e Wade Guyton, que falaram sobre a generosidade de outros artistas tais como Cady Noland, Andy Warhol, Marcel Duchamp e Richard Prince que abriram portas para artista como eles.

O tema é co-autoria de Picasso que dizia: bons artistas tomam emprestados, grandes artistas roubam. São 74 artistas que fazem parte dessa exposição e seu intuito é a tentativa de acrescentar algo ao legado de seus predecessores apresentam sua novas idéias. Arte pela arte e o “roubo” de trabalhos alheios serviu de combustível para muita criação artística.

d9434-dsc01678
Cady Noland – This piece has no title yet – 1989 – Foto Internet

Essa obra de Cady Noland (1956) como vocês podem ver nos remete a Andy Warhol (1928/1987).

 

32d6c-p1020218
Wang Zigwei (1963) Hopeless (woman crying) – Foto Internet

Essa obra nos remete a Roy Lichtenstein (1946/2009)

Save the Date para 2010 e boa viagem!

Serviço:

Rubell Family Collection /
Contemporary Arts Foundation
95 NW 29th Street, Miami, FL 33127
T: +1(305)573-6090
F: +1(305)573-6023
info@rfc.museumColaboradora: Virginia Figliolini Schreuders

Um comentário em “Save the Date – Miami II

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s